PROFECIAS DE SÃO PEDRO APÓSTOLO

Prev1 of 2
Use your ← → (arrow) keys to browse

profecias-de-sao-pedro-apostolo
profecias-de-sao-pedro-apostolo“Ora, assim como entre o povo houve falsos profetas, do mesmo modo haverá entre vós falsos doutores, que introduzirão seitas de perdição e renegarão aquele Senhor que os resgatou, atraindo sobre si mesmos uma pronta ruína. Muitos seguirão as suas dissoluções, por causa dos quais será blasfemado o caminho da verdade, e, por avareza, com palavras fingidas, farão negócio de vós, mas a sua condenação já desde há muito não repousa e a sua perdição não dorme”. (II Ped. 2, 1-3).

Aqui São Pedro, o primeiro Papa da Igreja, escreve aquilo que ele, por revelação Divina, ficou sabendo que iria acontecer no futuro da Igreja, ao longo dos séculos.

“Profeta”, como vimos, é aquele que “fala em nome de outro”, neste caso, seria aquele que “fala em nome de Cristo”.

Veja também

Falar em “nome de Cristo” significa falar aquilo que Ele falou e ensinou; fazer aquilo que Ele queria que fosse feito. Assim, por exemplo, não falaria em “nome de Cristo” quem modificasse uma só letra daquilo que Ele falou e ensinou.

O profeta torna-se falso quando fala em seu próprio nome, quando prega a “sua” doutrina, e não a de Cristo.

“Doutor” é aquele que “Ensina”, que “Interpreta” a “Lei”, a “Palavra” e a “Vontade” de Deus.

Para ser, “doutor” é preciso receber da Igreja este título e missão. A Igreja tem muitos “doutores” em Filosofia e Teologia, e é só depois de cursar uma Faculdade que recebem esta láurea.

Para que seja “falso” o “doutor”, é preciso que ele tenha investido a si mesmo desta láurea; ou que tendo de fato recebido esta dignidade ensinasse ou interpretasse a doutrina de modo diferente da Igreja.

Neste sentido Martinho Lutero foi o primeiro “falso doutor” que houve “entre nós”.

Falso pelo seguinte: ele contestou os ensinamentos da Santa Igreja, e interpretou a palavra de Deus de acordo com o seu ponto de vista, e não de modo objetivo e sensato. Por causa disso ele se tornou herege e cismático, e fundou uma outra religião, “introduzindo”, desta forma, “entre nós”, as “seitas de perdição”, Nasceu com ele o Protestantismo.

Esta profecia de São Pedro começou a cumprir-se com a “Revolução Protestante” (1483-1546), que perdura até nossos dias nas mais variadas seitas.

O Apóstolo chama esse cisma de “seitas de perdição”, porque, conforme doutrina definida como dogma de fé, “fora da Igreja Católica não haverá salvação nem remissão dos pecados”.

São Pedro fala que “muitos seguirão” as “dissoluções” destas “seitas”. Ora, é fato notório que o Protestantismo tomou enorme vulto em nossos dias, o que leva a crer que a profecia está se cumprindo ao pé da letra.

Para que ninguém entendesse esta profecia do mesmo modo que expomos aqui, os Pastores do Protestantismo trocaram a palavra “seitas”, deste texto, por “heresias”, de modo que modificaram o texto da profecia para: “… haverá entre vós falsos doutores, que introduzirão heresias de perdição…”.

Com isso, ao trocar uma palavra por outra, eles pretendem ocultar a idéia de que o Protestantismo forma um conjunto de “seitas” cristãs, à margem da Igreja Católica.

Como qualquer pessoa, ao ler esta profecia, chegaria à conclusão de que o Protestantismo é falso, e o Catolicismo é verdadeiro, eles modificaram e fraudaram estas palavras.

Trocar uma palavra por outra, a fim de passar uma idéia errada, revela a malícia e a desonestidade da pessoa que faz isto. Eles trocaram uma palavra por outra para ensinar uma nova religião! Eles trocaram uma palavra por outra para enganar as pessoas! Eles, os tradutores da Bíblia Protestante, estão mentindo, porque São Pedro não disse “heresias de perdição”, mas “seitas de perdição”!

São Pedro diz ainda que os seguidores das “seitas” blasfemarão o “caminho da verdade”. Ora, “blasfemar”, conforme o Catecismo, é um “pecado horrível que consiste em palavras ou atos de desprezo contra Deus, contra a Virgem, contra os Santos, ou contra as coisas Santas”. (III Cat. S. P. X)”

O “caminho da verdade” é, no entender de São Pedro, a Santa Igreja Católica, Apostólica e Romana, que os Protestantes não cessam de a desprezar e a vilipendiar.

São Pedro fala que os seguidores das “seitas de perdição” são vítimas de “avarentos” mercantilistas que, “com palavras fingidas”, farão “negócio” de seus sequases.

A palavra “avareza” significa a vontade desenfreada de ganhar dinheiro. E “palavras fingidas” significa fingir-se de religioso, para enganar e seduzir as pessoas, com o fim de ganhar dinheiro por esse meio. Prestem bem a atenção, porque aqui até os “milagres” são “fingidos”, ou seja, truques e simulação, ou, quando menos simulação do Demônio.

“Farão negócio de vós” significa que os “falsos doutores”, ou mais claramente, os Pastores Protestantes ou Evangélicos, transformarão suas “seitas” em verdadeiros “Supermercados”, cujo seu “produto”, ou “mercadoria”, será a Bíblia.

As palavras “farão negócio de vós” mostram bem claramente a finalidade comercial dos “pastores” das “seitas” dos “últimos tempos”. E é o próprio Deus que revela essa finalidade “secreta” das “seitas”, porque São Pedro profetizou inspirado pelo Espírito Santo! Ou seja, nessa profecia Deus revela os sentimentos dos corações de todos os Pastores promotores das “seitas de perdição”!

Os fatos e a experiência são provas mais do que evidentes de que é esta a “intenção” dos “pastores” das igrejas “evangélicas”, aonde o “dizimo” é tão notoriamente valorizado ou o centro para o qual convergem todas as suas pregações.

O “pastor” Edir Macedo, que chama a si mesmo de “bispo”, construiu um verdadeiro império comercial e econômico só com os “negócios” feitos com os Membros de sua “seita”.

A finalidade monetária de sua seita é tão notória que mereceu ser criticada até Por quem não é católico.

Ele é apenas “um”, entre “muitos”, que fazem comércio com as pessoas que sequem as suas “dissoluções” enganadoras.

O Protestantismo constitui o conjunto de “seitas” que militam contra a Igreja Católica, mas é preciso lembrar que ele não é o único problema. Há ainda um problema, tão ou ainda mais grave do que esse, que é o movimento modernista introduzido no interior da Igreja Católica.

O Papa São Pio X, quando escreveu a “Pascendi Domini Gregis”, Encíclica contra o modernismo, dizia, entre outras coisas, que o “modernismo é uma seita” e é a “síntese de todas as heresias”, acrescentando a pena de Excomunhão (“Latae Sententiae”) para todos aqueles que aderissem às novas idéias, das quais surgiram as novas teologias do Concílio Vaticano II e a teologia da libertação.

Outra “seita” que milita violentamente contra o Catolicismo é a Maçonaria, que forma uma verdadeira anti-Igreja, patrocinadora de todas as outras seitas.

Estudiosos do assunto testemunham que a maçonaria possui ritos e cerimônias onde o Catolicismo é blasfemado e odiado. Eliphas Levi, que foi “Mago” e “Grão-Mestre” maçon, escrevia o seguinte sobre o “Bode da magia negra”: “Digamos, agora, para edificação do vulgo, satisfação do conde de Mirville, justificação do demonômano Bodin e maior glória da Igreja que perseguiu os templários, queimou os magos, excomungou os franco-maçons, etc., etc.; digamos, ousada e altivamente, que todos os iniciados às ciências ocultas (falo dos iniciados inferiores e profanadores do grande arcano) adoraram, adoram ainda e adorarão sempre o que é significado por este espantoso símbolo (o Bode de Mendes). Sim, …,os grão-mestres da ordem dos templários adoravam o Baphomet e o faziam adorar pelos seus iniciados; sim, existiram, podem existir ainda assembléias presididas por esta figura assentada num trono com a sua tocha ardente entre os chifres”. (Dogma e Ritual de Alta Magia, Eliphas Levi, p. 336-337).

São Pedro fala que a “condenação” destes (Protestantes, Maçons e Modernistas) já está decretada, mas não para condená-los, e sim para tentar salvá-los.

Os promotores e os adeptos das “seitas” estão, segundo a fé, condenados ao fogo do Inferno, mas isto só se eles não se arrependerem de seus maus caminhos, porque se eles se arrependerem de seus pecados, Deus é Bom e Justo para os perdoar, e lhes dar a vida eterna.

Quando São Pedro fala que eles e suas obras estão reprovados por Deus, tem a intenção de levá-los ao arrependimento, de convertê-los, de salvá-los, e não de levá-los ao desespero da salvação.

A mensagem cristã, por mais dura que seja, é, e sempre será, uma mensagem de esperança, pois sua finalidade é curar e não danar a humanidade pecadora.

Se a mensagem cristã não fosse de esperança, cairia, por si mesma, em contradição, e, com isso, divinizaria o pecado, considerando-o maior que a Misericórdia de Deus.

Ora, Deus é Infinitamente maior que todos os pecados do mundo juntos. Logo, Deus pode perdoar todo e qualquer pecado, basta que o pecador se arrependa e peça perdão por tê-lo ofendido.

Só não é perdoado quem “ultrapassar o momento da morte nas trevas, no remorso, na esperança, no Sangue”. (Revelações de Deus Pai à Santa Catarina de Sena).

“Deus é caridade” (I Jo, 4, 8b), e n’Ele não há nenhuma treva, mas só a luz da bondade e da caridade!

Nós estamos em luta contra nossos vícios e paixões desordenadas, contra o mundo, contra o demônio, contra o pecado!

Se formos feridos por um desses inimigos de nossa salvação, não devemos nos entregar, ou desesperar, não importando o estado da ferida que eles nos causem, mas devemos lutar até o fim, com as armas da fé e da oração.

Desespero jamais! Lugar de desespero é só no Inferno! Lá, e só lá, é que não existe mais esperança de salvação!

Enquanto Deus mantém a alma no corpo, dá tempo para a conversão e para a salvação: para a confissão, comunhão e oração.

Uma das armas mais eficazes para a salvação das almas é a recitação diária do Santo Rosário, ou ao menos do Terço, ou ainda das Três Ave-Marias.

Prev1 of 2
Use your ← → (arrow) keys to browse

Deixe uma resposta