igrejas evangélicas se multiplicam no Brasil e na América Central

Prev1 of 2
Use your ← → (arrow) keys to browse

igrejas-evangelicas-se-multiplicam-no-brasil-e-na-america-central

O protestantismo avança na América Latina. Não há estatísticas consolidadas, mas em El Salvador, segundo uma recente pesquisa do Iudop (instituto ligado à Universidade Centro-americana, jesuíta), os que se declaram protestantes hoje representam mais de 38% da população – em 1988 eram apenas 16%. E no resto do continente, com exceção do México, pelo menos uma em cada dez pessoas é protestante. Em alguns casos, como na Guatemala, se anuncia que o país será em breve majoritariamente evangélico.

Embora na América Central a tendência seja pronunciada, os dados também falam por si mesmos ao sul do Panamá. Até 1960, no Brasil os protestantes sempre haviam se mantido abaixo de 5%. Mas nos anos 90 a proporção passou de 9% para 15,4%. E hoje, com cerca de 30 milhões de evangélicos, os brasileiros disputam com Alemanha, África do Sul e Nigéria o terceiro lugar no ranking dos países com mais protestantes do mundo, liderado por EUA e Reino Unido.

O protestantismo histórico, o de Lutero, o de Calvino ou o anglicano, sempre foi muito minoritário na América colonial, e só começou a se enraizar no início do século 20, com o “revival” [renascimento] norte-americano e a expansão das Igrejas pentecostais. Mas a que se deve uma mudança tão considerável em um continente que durante séculos foi majoritariamente católico?

Veja também

Samuel Rodríguez, diretor da maior organização hispano-evangélica dos EUA, a Conferência Nacional de Liderança Cristã Hispânica (NHCLC na sigla em inglês), apresenta três motivos: que para se converter “não é preciso mudar sua cultura porque o Evangelho pode entrar com qualquer sotaque; que a Igreja Evangélica propõe “uma relação pessoal com Deus, sem burocracia religiosa”; e que, diante das ditaduras, “a religião ofereceu a liberdade”.

O antropólogo salvadorenho Carlos Lara afirma que em seu país a ascensão do protestantismo “tem a ver com a guerra” e, embora somente em parte, também com uma certa “reação apolítica à Teologia da Libertação”. Mas para Lara o fundamental é a mudança sociocultural.

Outro baluarte evangélico é seu papel social: centros de reabilitação para drogados, apoio nas prisões, colégios… Mas não atuam só em grande escala. As Igrejas evangélicas “funcionam como microssociedades nas quais os níveis de ajuda mútua são muito fortes”, explica Lara.

Há quem chegue a atribuir ao protestantismo um certo efeito de ascensão social. Mas o antropólogo americano David Stoll, autor em 1990 do premonitório ensaio “A América Latina Está se Tornando Protestante?”, mostra-se cético: “Passar quatro noites na igreja, em vez de bêbado na rua, melhora a alimentação das crianças e promove relações familiares mais adequadas. Mas não se pode demonstrar que tornar-se evangélico melhore sua posição social”.

Prev1 of 2
Use your ← → (arrow) keys to browse

One Response

  1. Anônimo

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: