Editorial: Fim da indiferença (Mp3)

editorial-fim-da-indiferenca-mp3

Cidade do Vaticano (RV) – (Clique aqui e baixe o Mp3) Não ser somente um símbolo mas um sinal que indica uma estrada a ser percorrida. O Papa Francisco na última segunda-feira, visitando Lampedusa – ilha situada no extremo-sul da Itália – sacudiu mais uma vez a consciência de todos aqueles que ainda viram o rosto para o outro lado diante das dificuldades do irmão necessitado. Francisco fez um veemente e forte apelo para acabar com a indiferença diante de tantos irmãos que sofrem.

Lampedusa, para melhor nos situarmos, é conhecida como a ilha da esperança para milhares de imigrados africanos que atravessam o Mediterrâneo em busca de um futuro melhor. A chegada desses homens, mulheres e crianças à ilha, à ilha do sonho, do paraíso, da porta de entrada da Europa é precedida por uma viagem longa, desumana, terrível, durante a qual muitos perdem suas vidas: no olhar perdido dos que sobrevivem a essa odisséia sem fim, a recordação da morte de tantos parentes e amigos que não conseguiram atravessar o mar. Em seus corações, a dor por aquilo que deixaram para trás e a esperança por aquilo que virá.

Foi a esses homens, mulheres e crianças vindos da outra margem do Mediterrâneo que o Papa Francisco quis homenagear. Para rezar com eles e por eles. A idéia de visitar a ilha de Lampedusa nasceu por causa dos contínuos desembarques e naufrágios de migrantes, sobretudo provenientes da África. Tocado por esta série de tragédias, o Santo Padre, decidiu fazer essa visita à comunidade de Lampedusa e aos imigrantes sobreviventes, para com eles rezar e dar-lhes coragem a superar com dignidade a dramática situação.

Para o Papa era importante que se entendesse o significado desta sua visita: um gesto importante e significativo, como disse na sua homilia de “chorar por aqueles que morreram no caminho rumo a uma condição melhor de vida”; mas também gesto de solidariedade para com todos aqueles que sofrem neste mesmo caminho e de solidariedade e encorajamento para com todos aqueles que se empenham efetivamente em acolhê-los e a permitir-lhes que prossigam rumo a uma vida melhor.

As palavras do Papa foram duras críticas ao que ele chamou de “globalização da indiferença” provocada por uma “cultura do bem estar” que leva as pessoas a viverem em “bolhas” na ilusão “do fútil, do provisório”.

Mas agora Lampedusa, a viagem do Papa e o encontro com os últimos e com a população local não deve ser só um símbolo, mas sim a indicação de que é possível mudar as coisas. Os refletores da mídia, que se acenderam no último dia 8 de julho quando o Papa tocou a terra de Lampedusa, já se apagaram, mas os desembarques daqueles que sonham uma vida melhor, continuam. E esses filhos de Deus continuam, de modo desesperado a desafiar a morte perseguindo o sonho da liberdade.

Veja também

O Papa foi rezar por aqueles que perderam a vida, mas também foi a Lampedusa para sacudir a consciência de todos, a nossa, do valor da vida, de que não se pode ficar indiferente diante da situação de milhões de pessoas que padecem as necessidades mais básicas para a sobrevivência.

Os votos são de que a viagem do Papa a Lampedusa, um lugar talvez desconhecido para milhões de pessoas, seja o início da construção de uma ponte que ligue a opulenta e fechada Europa à África, ao mundo dos excluídos; uma ponte que una, num só abraço pessoas de todas as partes do mundo, que lutam para ter uma vida digna.

O Papa Francisco nas palavras proferidas em Lampedusa tocou os corações das pessoas e chamou a atenção dos meios de comunicação, principalmente quando usou a expressão “globalização da indiferença” e pediu perdão pelas mortes absurdas de pessoas que buscavam uma vida melhor. Se chegamos à globalização da indiferença, e ao fato de que o outro é somente um problema, é porque não vivemos corretamente o nosso cristianismo.

Ainda durante a sua homilia, na celebração da Santa Missa, o Santo Padre não esqueceu dos muçulmanos presentes, dirigindo um pensamento pelo início do jejum do Ramadã, o mês sagrado para os muçulmanos e concluíndo; “a Igreja está ao seu lado na busca de uma vida mais digna, para vocês e suas famílias. A vocês “O’sciá!”.

Papa Francisco mais uma vez toca o coração das pessoas e faz um forte chamado à consciência de todos, para sairmos de nossas posições conformistas. Ele com o seu gesto nos ensina a contrastar a indiferença e a superar com gestos concretos o egoísmo da nossa comodidade. (Silvonei José)

Download Católico

Mais para você:

Deixe seu comentário