Card Hummes: “A misericórdia de Deus é para todos, não exclui ninguém” (Ouça)

card-hummes-a-misericordia-de-deus-e-para-todos-nao-exclui-ninguem-ouca

Cidade do Vaticano (RV) – (Áudio) Cidade do Vaticano (RV) – Em novembro de 2013, pouco antes de completar o primeiro ano de Pontificado, o Papa Francisco publicou sua primeira Exortação Apostólica, A Alegria do Evangelho. No documento, uma verdadeira plataforma de ação, o Papa se dirige aos cristãos para convidá-los a uma nova etapa de evangelização marcada por esta alegria, e indica direções para o caminho da Igreja nos próximos anos.

Uma das inúmeras entrevistas concedidas por Francisco durante este primeiro ano foi ao quinzenal jesuíta ‘Civiltà Cattolica’, ao qual o Papa não poupa críticas ao clero. Francisco aponta que a coisa que a Igreja mais precisa hoje é “a capacidade de curar as feridas e aquecer os corações dos fiéis, a proximidade e o companheirismo. “Vejo a Igreja como um hospital de campanha depois de uma batalha. É inútil perguntar a um ferido grave se tem o colesterol ou o açúcar altos! É preciso curar as suas feridas. Depois poderemos falar de tudo isso. Curar as feridas, cuidar as feridas… E é preciso começar de baixo”.

Em sintonia com o pensamento do Papa Bergoglio, o Cardeal Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo, afirma que nesta caminhada, ninguém pode ser excluído.

Veja também

“O caminho é um caminho aberto, onde todos têm um processo, todos têm uma caminhada a fazer. Não é um ‘ser ou não ser’, há um ‘vir a ser’ constante. Não é apenas ‘ser ou não ser’ cristão, ou ‘ser ou não ser católico’. Há um ‘vir a ser’. Esta proposta é para todo o mundo, todos devem de alguma forma poder começar esta caminhada. Então não pode haver muros nem excluir alguém. Todos devem poder fazer a caminhada”.

“Isto é um enfoque muito renovador – penso – e nos dá a sensação de que é realmente por aí, porque Deus é por aí. A misericórdia de Deus quer incluir todos, chamar todos; portanto, todos devem ter alguma forma de começar este caminho, começar a percorrê-lo. E o Papa diz: “Nós que já temos fé, que somos cristãos, sobretudo nós, pastores, temos que acompanhar as pessoas neste caminho”. Acender luzes para que as pessoas consigam caminhar. Nunca podemos dizer ‘não, você não tem mais condições’. Isto é excluir, e a Igreja não pode excluir. Estas coisas atropelam a nossa maneira de fazer as coisas, e isto é muito bom, porque renova. Esta é a reforma fundamental que o Papa pretende realizar na Igreja. Claro que existem coisas mais pontuais: a reforma da Cúria, outras reformas devem ser feitas, as institucionais, absolutamente necessárias para que sejam serviços segundo o Evangelho, e não segundo a mentalidade do mundo. Há coisas também profundamente que têm a ver com o que nós cremos e a forma em que vivemos. Muitas coisas ainda devem ser revistas”.

Para ouvir, clique acima. (CM)

4 Responses

  1. Anonymous

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: