O que a igreja católica fala sobre o Halloween

Uma festa que se tornou cultural ao decorrer de todos esses anos, como uma forma de brincadeira para as crianças e, adultos também. Visto como algo tão inocente, no famoso “Doces ou Travessuras”, pela igreja católica, isso é visto como algo que veio do mal, das trevas e que os católicos não devem deixar os seus filhos participarem dessa celebração que mostraremos a seguir e o que a igreja católica fala sobre o halloween de fato.

O que a igreja pensa sobre essa celebração?

Uma festa tão comum nos EUA, trazida pelos antigos Celtas e que se comemora no dia 31 de outubro. Desde então, era uma forma de homenagear a quem havia morrido, por isso para a igreja católica, o halloween virou meio que uma provocação contra as pessoas do bem, já que é celebrada, um dia antes da data que se comemora o dia de todos os santos.

É como se fosse um ritual macabro, satânico, pois envolve cemitério, bruxarias, monstros, caveiras. Como se fosse um pacto com pessoas do mal.

A igreja católica antigamente era muito mais crítica a isso. Não deixando que seus fiéis participassem de tal ritual, e se participassem, fizessem orações e pedissem perdão no outro dia, já que dia 1 de novembro é dia de todos os santos.

Hoje, até que a igreja católica não está mais tão severa como antes, mas pedem para que seus fiéis continuem não deixando os seus filhos fazerem parte dessa comemoração.

Por que não poderia ser uma brincadeira na visão da igreja católica?

Porque os católicos acreditavam que isso tinha origem pagã, que todos que participavam dessa “brincadeira” eram pagãos, ou seja, sua alma não era pura. Tinham contato com os mortos e podiam trazer os mortos de volta através dos espíritos solicitados no ritual feito com abóboras, velas, máscaras, capas e imagens horríveis. Com essa “brincadeira” a igreja católica acreditava que as bruxas apareceriam para eles, para as pessoas do bem, assim como os espíritos do mal também.

Por ter ligação com o oculto, ela seria uma celebração perigosa, podendo os vivos irem para o mundo dos mortos e os mortos para o mundo dos vivos.

O famoso dia das bruxas

Aqui no Brasil o dia das bruxas é bem esperado pela criançada, que na verdade são inocentes, talvez de uma crença que nem sabemos ao certo se existiu mesmo, mas foi contada dessa forma. Onde a criançada se diverte com as festinhas em escolas, clubes e festas a caráter, que só entram se estiverem fantasiadas.

O que para a igreja católica nada mais era/é uma questão do mal, para a criançada isso é apenas um divertimento, uma fantasia da própria cabeça. Onde eles conseguem recolher doces dos vizinhos ou fazer com que façam alguma travessura, caso não tenham nada para dar.

Muitas igrejas já relevam um pouco essa data como sendo apenas mais uma data comemorativa, desde que seja saudável, natural, divertida. Pois não adianta não participar do halloween e ir, na esquina e matar o gato preto porque ele traz azar. O mal estará dentro de você do mesmo jeito.

Não é uma festa, uma crendice que faz da pessoa um ser humano melhor. Que faz com que a maldade venha. É o próprio ser humano que traz essa maldade para as festas, para as crendices. O dia em que a igreja católica, ou qualquer outra mostrar para os seus fiéis que o que importa é o que se faz ao próximo e não o que se acredita que possa fazer ou deixar de fazer é que mudará tudo. O que eu fizer de bem para o meu próximo é o que importa, seja na igreja ou fora dela. Nesse caso seja bruxa ou anjo, o importante é fazer o bem sem olhar a quem.
 

Deixe seu comentário